Como lidar com a raiva , ira, cólera e o ódio ?

Ou como saltar do cerebelo ao neocortex ?

O facebook é um prato cheio para terapeutas. Observar o que tem acontecido nos últimos tempos é bastante revelador. Um aspecto que me tem chamado a atenção é o fenômeno da raiva, hoje generalizada, que se alastra indiscriminadamente por posts e mais posts nas mídias sociais.

A raiva — e seus afluentes mais conhecidos, como a ira, a cólera e o ódio — é uma emoção básica do ser humano. Todos nós temos raiva. Ela é fundamental para a nossa sobrevivência, transformação e evolução. E na sua essência, não é boa nem ruim. O que pode ser bom ou ruim é o que fazemos com ela.

Na infância, a raiva se manifesta livremente através do choro, do grito, do esperneio, até sermos amestrados e ensinados que é feio espernear. É quando aprendemos a engolir sapos e a reprimir a raiva. Na adolescência, a raiva volta com tudo e se manifesta basicamente de 3 formas. Em alguns, como uma explosão, é a extravazão da rebeldia contra tudo e contra todos, mas neste caso, a rebeldia tem causa, embora muitas vezes inconsciente; em outros surge como uma implosão, é o fim do mundo da depressão, da apatia e da melancolia típicas deste período da vida. Os mais sortudos são aqueles que conseguem alquimizar e canalizar a energia da raiva para alguma atividade mais saudável e construtiva, como esportes, por exemplo.

Na fase adulta, toda a raiva acumulada ao longo da vida, acrescida das doses diárias de aborrecimentos, frustrações e chateações de todos os tipos, vira uma arma de efeito moral devastadora. Se tenho muita raiva guardada, ou se estou frustrado, infeliz, estressado, angustiado e não realizado na vida, e se ainda não aprendi a usar a raiva de forma inteligente e a favor da minha evolução, é bem possível que vá projetá-la, provavelmente de forma inconsciente, nos outros, no mundo externo e nos pseudo-inimigos, talvez como agressão, sarcasmo, ironia, cinismo, assédio moral ou violência física. As formas são muitas.

É aí que entra o facebook como grande espelho da sociedade e de nós mesmos. Assim como fazemos na adolescência, núcleos psíquicos imaturos dentro de nós nos influenciam e, como resultado, nos levam a nos agrupar por afinidade em times, partidos, igrejas, gangs, bandos, bandas… para potencializar a nossa expressão e nos proteger. Ficamos tão identificados com nossos ídolos e times, tão apegados a nossos grupos de afins, tão seguros junto de nossos líderes e suas causas, que qualquer ofensa, qualquer questionamento, qualquer simples oposição a eles dói mortalmente em nós, porque toca em feridas internas profundas e ainda não curadas.

Sendo assim, como posso aceitar que alguém fale mal do meu time, do meu partido, do meu candidato, do meu guru. Se não aprendi a lidar com a raiva, se não curei minha feridas psicológicas, se não perdoei meus pais, o professor que me ignorou, aquele cara que me humilhou na infância, a garota que me deu um fora na adolescência, o amigo que me traiu, o sócio que me roubou,… então só vai me restar um caminho, revidar, ir a luta, derrubar os inimigos sem piedade nem dó. É a partir daí que projetamos sem consciência todo a raiva e frustração acumulada dentro de nós, nos outros, nos inimigos, nos opositores e em todos os que ousam em pensar diferentemente de nós. O buraco é tão mais embaixo, e tão mais dolorido, que é bem mais fácil projetar no mundo externo. É assim que contribuímos para aumentar o caos, a dor e o sofrimento do mundo.

Em síntese, sentir raiva é algo absolutamente normal e humano. Mas se não conseguimos apazinguar a guerra dentro de nós, se não conseguimos pacificar nossas mentes e corações e se não conseguimos elevar o centro de gravidade da nossa consciência do cerebelo (instintivo e condicionado) ao neocortex (reflexivo e criativo), a guerra não vai terminar nunca e jamais seremos livres e felizes, nem mesmo quando matarmos o inimigo e ganharmos a guerra.

www.holoplex.org

26/10/14


Also published on Medium.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *